FLASHMETER

Companheiro dos profissionais de estúdio, o fotômetro de mão (ou flash meter) caiu em desuso porque as câmeras já vêm com um fotômetro embutido, que se vira relativamente bem na maioria das situações. Por que então comprar outro, por um preço que não é exatamente em conta (uns R$ 800 para cima)?

O fotômetro é o dispositivo que “lê” as condições de iluminação da cena. Na câmera, ele faz isso analisando os dados oferecidos pela luz refletida pelo objeto. A escala que aparece no visor indica se há luz de mais ou de menos e cabe ao fotógrafo ajustar os controles para obter o ponto zero da escala, correspondente a uma exposição correta.

Tudo muito simples e prático. O problema é que os fotômetros embutidos podem cometer erros, pois medem diferentes níveis de luminosidade segundo um valor de referência de cinza médio. Ao aportarmos a câmera para um vestido de noiva, por exemplo, o fotômetro “verá” muita luz na cena, e sua leitura resultará numa foto escura. Ocorre o contrário se o modelo for o noivo com seu terno preto.

O fotômetro de mão, por sua vez, não cai nessa. A razão é que o dispositivo mede a luz que incide na cena. O fotógrafo posiciona o flash meter onde estão os noivos, com a bolinha branca (o domo difusor) apontada para a câmera, e o aparelho fará a leitura da luz que incide sobre o casal, indicando os ajustes necessários para se obter a exposição correta. Precisão absoluta.

iPhoto-Channel_Flash-meter_Newton-Medeiros-11.jpg

“Fotômetro dita o seu estilo, a sua assinatura” (Luiz Garrido)

“O fotômetro [de mão] é essencial para afinar as luzes, conseguir os equilíbrios nas altas, médias e baixas luzes e distâncias, dependendo do que for fazer, em estúdio e até em externas, quando se tem que atingir muito foco, ele é vital”, reforça Marcelo Donatelli, fotógrafo paulistano de publicidade com quase 35 anos de fotografia nas costas. Ele acredita, entretanto, que, com o tempo, o profissional pega o jeito e acaba relaxando no uso. “Tem trabalhos que eu nem levo”, reconhece. Mas defende que os novatos comecem dominando o assunto: “Deveriam aprender primeiro com o fotômetro de ponteiros, depois o fotômetro digital, depois o cartão cinza”, recomenda.

Outra razão para o flash meter ter perdido popularidade se deve ao histograma das câmeras digitais, representação gráfica dos valores de luz e sombra da imagem capturada. Muita gente se baseia nisso para ajustar a exposição. Donatelli concorda que o histograma resolve em muitos casos, porém sua leitura também é imprecisa. “Por mais que a câmera seja ultra, você não vai saber quanto deu nos pontos específicos de luz e sempre terá sub ou superexposição”, sustenta.

Porém, não é todo profissional experiente que defende o uso compulsório do flash meter. Curiosamente, o sócio de Luiz Garrido no estúdio carioca Tibet Filme, o paraense Levindo Carneiro, fotógrafo de publicidade e “photoshopper” das antigas, considera o aparelho desnecessário. “A medição de cada foto é uma opinião”, avalia. Levindo costuma fazer uma primeira medição com o fotômetro da câmera, depois avalia o histograma e, por fim, aplica o recurso HDR, aproveitando o sistema de bracketing de sua câmera – que faz três exposições diferentes da mesma cena.

FLASHMETER

Cartão Cor

É um cartão quadriculado de 24 cores preparadas cientificamente para alcançar uma realista reprodução de cores, como a pele humana (clara e escura), o azul do céu e a cor da fuligem, o padrão RGB entre outros., minimizando os ajustes na pós-produção. O cartão contém quadros coloridos em uma ampla gama de cores cujos homólogos refletem a luz da mesma forma em todo espectro visual. Assim correspondem as cores de objetos naturais, como a pele humana, folhagens e o céu, em qualquer iluminação e com qualquer processo de reprodução de cores.

ColorCheker , como usar?

Cartão Cor

Cartão Cinza

O cartão cinza é uma ferramenta que ajuda o fotógrafo no acerto do balanço de branco da imagem e também para uma fotometria mais precisa dos assuntos a ser fotografados. nada mais é do que um cartão cuja impressão em cinza representa o que chamamos de tom médio, ou seja, a metade (50%) da escala de cinza. o acessório também é chamado de Cartão Cinza 18%, mas essa não é a escala de cinza e sim a quantidade de luz que ele reflete.                                                                                                                                                                                                           Nem sempre você vai encontrar no ambiente onde você está um tom neutro onde o balanço de branco personalizado possa ser executado, por isso usamos o cartão para fazer essa medição. É só acionar o recurso na câmera, apontar a câmera para o cartão de modo que ele preencha toda a cena e fazer a medição. É importante que o cartão esteja sendo iluminado pela mesma luz que vai ser utilizada no ensaio. Pronto, você tem um balanço de branco personalizado e preciso para aquela cena.

 Referências Bibliográficas:

https://arteeluz.wordpress.com/tag/cartao-cinza/

http://pt.scribd.com/doc/170001662/Como-utilizar-o-cartao-cinza

http://meiobit.com/115067/cartao-cinza-um-brinquedo-quase-esquecido/

Cartão Cinza

unnamed

Layout: Splash (Bacia)

Produção em grupo

Grupo: Yuri Beulk, Filipe Pohren, Amanda Otaki, Jessica Ritter, Bibiana Henke, Skarlett Lenz, Cristielen e Leonardo Viau

Fotografia: Jessica Ritter

Publicitária 2016/2

Curso Superior de Tecnologia em Fotografia / ULBRA

Professor Fernando Pires